“Paracelso (Philip Theophrastus Aureolus Bombastus von Hohenheim _ 1493-1541), notável alquimista e médico suíço que se projetou na Idade Média, foi um dos grandes desbravadores do terreno do magnetismo, tendo, por suas idéias renovadoras e “revolucionárias”, chegado a ser afastado do cargo de professor que ocupava com destaque. Ele é apontado, inclusive, como o criador da palavra magnetismo, quando comparou as forças “viventes”ao ímã (magnete).

Mas, modernamente, em nossa cultura ocidental, Mesmer (Franz Anton, 1734-1815), um médico alemão, é apresentado como o responsável pela codificação e demonstração prática do magnetismo, por ele trazido como “Teoria do Magnetismo Animal”. Todavia, desde os mais antigos registros feitos pela Antropologia e Sociologia são acusados comportamentos humanos indicativos da utilização do magnetismo como método de cura e busca espiritual, como fortalecimento dos potenciais orgânicos e fisiológicos e também como técnica de conservação e embalsamamento de corpos. Registros bíblicos são fartos nesse sentido, tanto quanto a maioria dos livros basilares de antigas religiões orientais; assim o são também pesquisas antropológicas que estudam comportamentos mortuários de antigas civilizações.
Portanto, não há uma data ou um período preciso que confirme a “implantação” do magnetismo no seio da humanidade, sendo, por isso mesmo e por todas reflexões sérias a respeito, permitido se diga que há magnetismo no mundo dsede que o mundo é mundo.”
Transcrito do livro Cure-se e Cure Pelos Passes – Jacob Melo.